DAR A VOLTA AO MUNDO À PÉ. TOPAS?

Parece loucura, não é mesmo? Pois saiba que durante a vida as pessoas percorrem em torno de 112 mil quilômetros, o equivalente à não uma, mas três voltas ao mundo à pé. Imagine agora que mais da metade do percurso você fará sobre um salto de 10 centímetros e bico fino. Pois é isto que a maioria das mulheres que veneram o visual fazem. Quantas amigas você tem que trabalham bem vestidas e usam salto durante mais de oito horas por dia.

Elas podem até não confessar, mas 80% das mesmas tem algum tipo de problema nos pés, causado ou pelo menos, precipitado pelo uso de calçados inadequados. Na verdade, mesmo os calçados masculinos que não estão tão fortemente ligados à moda, podem trazer malefício para os pés, mas os calçados de salto e bico fino são evidentemente os mais danosos à saúde. O salto altera completamente a distribuição de carga nos pés, jogando quase todo o peso do corpo para a região anterior dos mesmos, onde em alguns modelos encontramos um bico extremamente fino que mantém os dedos esmagados e acavalados uns sobre os outros. Com o uso prolongado destes calçados, deformidades dolorosas e, muitas vezes progressivas, podem se desenvolver. Para termos uma idéia da influência do calçado inadequado na saúde dos pés, mais de 80% das cirurgias desta região são realizadas em pacientes do sexo feminino. 
Para irmos além das simples evidências, estudos foram realizados comparando grupos de indivíduos que usam com os que não usam calçados regularmente. O mais importante deles foi realizado na China e comparou a incidência de joanete (deformidade mais comum no pé do adulto ) entre uma população de indivíduos que usava calçado regularmente e uma que nunca havia usado calçado na vida (uma tribo indígena). A pesquisa demonstrou que o hálux valgo (popularmente chamado de joanete) esteve presente em 1,9 % dos descalços e em 33% da população urbana. 
Por outro lado, é dito que a última peça do vestuário que conseguimos tirar de uma mulher são os sapatos, e todos sabemos o porquê. Segundo Stuart, no livro “As mulheres e os seus calçados” nada foi inventado até o momento melhor do que o salto para fazer um bom par de pernas parecer ótimo e um ótimo par de pernas parecer fabuloso. Se um calçado não dói ele não tem estilo, é outro provérbio cultuado pelos entendedores de moda. O que podemos concluir, é que realmente o estilo e o conforto não parecem andar juntos quando se trata de calçados. O que eu posso fazer com este problema para não deixar de usar o salto, doutor? Esta é uma pergunta muito comum no consultório dos ortopedistas. O stress da cirurgia e alguns dias de inatividade não importam para muitas pacientes, desde que se alcance a liberdade na escolha dos calçados.