CUIDADOS COM O GESSO

A imobilização gessada é uma alternativa muito útil no tratamento de diversas desordens ortopédicas. Além de imobilizar o membro machucado, ela distribuir as cargas, diminuindo o esforço do pé e do tornozelo, o que acelera muito a recuperação. Para alcançar estes objetivos, porém, é muito importante que você domine alguns cuidados necessários para conservação do seu gesso:  

 

1 – Não molhe o gesso. Embora o gesso sintético não perca o seu formato em contato com a água, evite molhá-lo, pois a umidade causa mau cheiro e aumenta as chances de infecção por fungos. Você deve protegê-lo com saco plástico ao tomar banho.

2 - Não coloque nenhum objeto dentro do gesso, nem mesmo para coçar. O atrito pode provocar feridas, que podem evoluir sem tratamento. Tenha especial cuidado com crianças, pois elas podem introduzir pequenos brinquedos sob o gesso.

5 – Procure manter o membro engessado elevado durante a maior parte do dia e durante à noite.

6 – Limpe cuidadosamente entre os dedos e mantenha esta região seca. A umidade propicia o desenvolvimento de infecção por fungos (frieiras).

7 – Se você colocou um gesso convencional, não apóie nas primeiras 48 horas para que seque completamente. No caso do gesso sintético, o apoio pode ser liberado em alguns casos, minutos depois da colocação, pois a secagem é muito mais rápida. 

8 – Tenha cuidados com escadas, tapetes e pisos molhados, eles aumentam a chance de quedas, especialmente se você está usando muletas.

9 – Procure movimentar os dedos e articulações que não estão imobilizadas.

10 – Nunca retire o seu gesso sem falar com o médico e jamais diminua ou corte o seu gesso.

11- Não conduza veículos auto motores enquanto  estiver com gesso.

12 – Siga exatamente as orientações do seu médico. No caso de dúvidas, entre em contato.

 

Examine o seu gesso diariamente e entre em contato nas seguintes situações:

1 – A dor aumenta sem explicação aparente.


2 – Inchaço progressivo nos dedos, que não cede com a elevação do membro.

3 – Machucados nas bordas do gesso.

3 – Dormência (formigamento) ou anestesia da parte engessada.


4 – Dificuldade para movimentar a perna engessada.

5 – Odor forte e progressivo.

6 – Aparecimento de manchas no gesso, especialmente as oriundas de dentro para fora.

7 – Alteração na coloração (azulada ou vermelhada) e temperatura da pele (pele fria).

8 – Febre (acima de 37,80 Celsius)

9 – Gesso torna-se muito frouxo, quebrado ou apertado.